Archive for December, 2012

Adeus ano velho, feliz ano novo…

2012/12/31

Pois é, mais um ano se foi. Mais trezentos e sessenta e cinco dias adicionados à nossa existência. Você estabeleceu objetivos para 2012? Se sim, conseguiu atingi-los? Não vá me dizer que acabou se esquecendo de quais eram…

Aproveitando o momento, faço também meu balanço do ano (bom, se as lojas o fazem, por que eu não poderia?). Não vou me ater a acontecimentos pontuais (até porque, infelizmente, não tenho diário (já até tentei escrever durante um tempo, mas a disciplina me foi insuficiente), o que me impedirá de, daqui a vinte anos, ler alguns acontecimentos incríveis da vida e cair na nostalgia (ou lembrar com um sorriso)), mas sim considerar grandes blocos de tempo neste ano.

Não sei se posso classificá-lo assim, mas acho que foi um ano “inesperado”, no sentido de que fiz muitas das coisas que sempre vim fazendo há alguns anos, porém desafios inauditos se apresentaram, acontecimentos de que nem suspeitava.

Foi um ano de sorrisos, lágrimas, falhas, estudo, amizade, paixões, desilusões, consolo, perdão, dedicação, medo, regozijo, suor, oração, encontros, despedidas, abraços, velocidade, saudade…

Vi amigos irem ao exterior para lá estudar, vi amigos voltarem do exterior, fiz amigos de outra nacionalidade, revi amigos que há muito não via, consegui sucessos inéditos e tentei me dedicar mais ao próximo.

Da importância da amizade certo estou de que pouquíssimos ousam duvidar, entretanto neste ano tive uma forte consciência do papel central e insubstituível que ela exerce em minha vida. De amigos de verdade estou falando, daquelas pessoas que não passam por nossas vidas sem nos deixar um pouco do melhor de si, bem como deixamos com elas o que temos de melhor.
Isso me lembrou de uma linda canção do Flecha dos Pampas (que faleceu neste ano) intitulada “Eterno Mendigo”:

Nada neste mundo está perdido
Tudo tem valor no bom sentido

Tudo recebo com prazer: amor, rancor, justiça, calúnia
Mas tudo incrementa meu viver

O que recebo de ruim guardo comigo
O que recebo de bom divido com os amigos

Por isso, sou um eterno mendigo
Mas é assim que consigo ser feliz

Toda vez que escuto esta canção no LP de 1980 do meu pai me emociono deveras e lágrimas correm como rios em mim. Acho que o fato de ter sido criado ouvindo tais LPs contribui para isso, mas a beleza da mensagem, pra mim, é indiscutível.

Falando em música brasileira, neste ano conheci mais da nossa cultura e passei a dela gostar ainda mais e a divulgá-la ainda mais, tanto para brasileiros como para estrangeiros. Sem demérito a nenhuma cultura, mas a nossa é uma das mais diversificadas que conheço. Fica aqui o convite para que neste ano que se inicia você procure se cientificar mais de nossa cultura. A música é, em minha humilde opinião, um ótimo ponto de partida.

Bem, espero que tenha aproveitado bastante este ano e que 2013 seja repleto de novas emoções e boas notícias. Não se deixe levar pelo pessimismo que pode tentar consterná-lo, mas acredite num amanhã melhor e, sobretudo, faça tudo o que puder para torná-lo realidade!

Um feliz ano novo para você e para seus entes queridos.
Até o ano que vem 🙂

Advertisements

2012 Brazilian Grand Prix

2012/12/18

After the last Grand Prix, I believe even more in the fact that Interlagos is specialising itself in thrilling races.
Before the race, I spent the entire morning watching videos and reading articles about the Grand Prix (to get into the mood of the race). And nearly every one of them ended with something like “but nothing is decided yet, everything can happen, after all we’re in São Paulo”. I really thought it was an overstatement… until the race began.
In the very first lap, the championship leader Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault) collided with Bruno Senna (Williams-Renault) and spun. Nevertheless, he was able to continue the race in the 22nd position.
On lap 5, Fernando Alonso (Ferrari) missed the breaking point and ran wild in the Senna’s ‘S’, losing his 3rd place to Nico Hülkenberg (Force India-Mercedes).

2012 Brazilian Grand Prix

2012 Brazilian Grand Prix

On lap 7, Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes) challenged Jenson Button (McLaren-Mercedes) for the lead and Mark Webber (Red Bull Racing-Renault) spun out in the Senna’s ‘S’.
On lap 19, Hülkenberg overtook Button on the main straight.
On lap 21, Nico Rosberg (Mercedes) had a puncture due to debris.
Because of the debris, safety car was brought out on lap 23. The restart occurred in lap 30.
On lap 54, Kimi Räikkönen (Lotus-Renault) had problems controlling his car on Junção and went out of the track. Then he tried to get back to track using a lane, but the access was closed and he had to turn around and used the grass to return to the track.

On lap 55, Hülkenberg lost control and hit Hamilton in the Senna’s ‘S’ while trying an overtake, which granted a drive through penalty to him.
With just two laps remaining, Paul di Resta (Force India-Mercedes) crashed on the main straight, what brought the safety car out again. In the end, the checkered flag was waved in safety car condition. A tranquil end to an eventful race.

The race positions in the end were:

1) Jenson Button United Kingdom 1:45:22.656
2) Fernando Alonso Spain +2.7 s
3) Felipe Massa Brazil +3.6 s
4) Mark Webber Australia +4.9 s
5) Nico Hülkenberg Germany +5.7 s
6) Sebastian Vettel Germany +9.4 s

And the championship standings after the race:

1) Sebastian Vettel Germany 281 points
2) Fernando Alonso Spain 278 points
3) Kimi Räikkönen Finland 207 points
4) Lewis Hamilton United Kingdom 190 points
5) Jenson Button United Kingdom 188 points

With this race, the young German Sebastian Vettel, 25, clinched his third world title (all in a row). And broke another record, becoming the youngest triple world champion, record previously held by Ayrton Senna.

Autoconfiança

2012/12/11

Fazia um tempinho que não precisava me aventurar pelo mundo dos exames na escola (mais precisamente, quase três anos). Porém, Análise de Algoritmos I quebrou este hiato. Logo que descobri que não escapara do inescapável exame, indaguei o professor sobre a possibilidade de um atendimento para tirarmos dúvidas antes da prova fatal (que, no momento em que escrevo isto, não fiz ainda). Falando no professor, ele é um distinto senhor (temido) conhecido por Rezende.
Pois bem, fui ontem no tal atendimento e lhe mostrei um algoritmo que tentei bolar. Depois de me fazer uma copiosa chuva de questões, às quais mal e mal respondi titubeante, ele virou e me disse: “Você, no fundo, quer que eu diga se isto que você fez está certo ou não” (ah não, como ele descobriu!?) E não parou por aí, continuou: “Você tem problemas de autoconfiança, precisa acreditar mais em si mesmo e no que faz” (caramba! como ele descobriu isso também!? Talvez ser professor exija mais habilidades do que supunha).
O fato é que ele estava absolutamente certo. E a falta de autoconfiança não me atinge somente nos algoritmos, mas na vida.
Todavia, como ser autoconfiante sem correr o risco de ser soberbo ou pretensioso? Eis questão.