第十回カンピーナス日本祭り

2014/06/09

今日は素晴らしい日でした。第十回のカンピーナス日本祭りに行ってきました。
友達は来られなくて、昔のように一人で行きました。着いたばかり、友人が登場して、私はラッキーでした。沖縄の歌謡舞踊を踊りました。本当に美しかったです。

そして好きな曲がたっぷり聞けました。「愛燦燦」(雨…♫)・「とんぼ」・「三日月」・「島唄」(三回も^^)・「島人ぬ宝」・「三線の花」・「千の風になって」・「Aquarela do Brasil」・「車屋さん」・「東京ドドンパ娘」等。一緒に歌って楽しかったです。日本歌手の中平マリコさんも登場して歌ってくれました。最初の曲は「悲しき口笛」(前回のカラオケで歌ってみたこの曲)でワクワクでした。
中平さんのCDを買って、サインしてくれました。私は「済みません」と言ったら、中平さんと周りの人がビックリしました(笑)。「日本語が出来ますか」って聞かれて、「少しだけですね」と答えました。そして何処で勉強したと聞かれて、居た人は興味を示して嬉しかったです。

もちろん日本料理の食べ物を食べました。稲荷寿司や太巻きや焼き饅頭を食べられました。
帰る時に、舞踊の友人がまた登場して三味線を弾きました。安里屋ユンタの弾き語りでした。昔からこの曲が大好きです。それに友人はとても上手ですよ。彼女がこんな才能を持つのは分かりませんでした。
祭りは誠に素晴らしかった。とても喜びました。

Vinte anos sem Ayrton Senna

2014/05/01
Senna no pódio

Senna no pódio

Hoje, há exatos vinte anos, o mundo perdia um dos pilotos mais rápidos e arrojados da história e uma grande pessoa. Estamos falando de ninguém menos que Ayrton Senna do Brasil.
Nasci no ano seguinte à primeira vitória de Senna na Fórmula Um. Embora pequeno, lembro-me de assistir às corridas pela televisão com meu pai. Ele foi o grande responsável por minha paixão pelas corridas e pelo Senna.
Lembro que, naquele trágico primeiro de maio de 1994, não chorei. Eu tinha apenas oito anos e não tinha muita noção dessas coisas como a morte. Mesmo assim, é claro que eu vi que os fins de semana já não eram mais os mesmos. E eu e meu pai deixamos de assistir às corridas. Só voltei a acompanhar a Fórmula Um muitos, muitos anos depois. Meu pai não voltou, assim como a maioria dos brasileiros. Isso porque não apareceu um campeão desde Senna. E assim, o Brasil, que brilhou na Fórmula Um durante as décadas de 70, 80 e início da década de 90, perdeu muito de seu brilho com respeito ao automobilismo internacional.
Embora tenha falecido num ano em que muitos esperavam que se sagrasse tetracampeão (o que era, de fato, muito provável), Senna deixou sua marca profunda na história do automobilismo e, mais importante, nos corações das pessoas, não só de brasileiros, mas também de japoneses, ingleses e de quem mais teve contato com este gênio. Aliás, “gênio” (天才) é um dos apelidos de Senna no Japão, assim como “príncipe da velocidade da luz” (音速の貴公子).
Além das corridas fantásticas e de seus três campeonatos, outra coisa que permanece em nossa memória é a generosidade de Senna, inclusive sob a forma do Instituto Ayrton Senna que, desde 1994 até hoje, ajuda na educação de crianças e a torná-las cidadãos mais conscientes e mais capacitados.
Com certeza, o exemplo de Senna e seus feitos incríveis continuarão na memória e no coração de quem teve o prazer de ter contato com ele ou com seu enorme legado. Fica também sua enorme determinação e seu igualmente grande desejo de vitória como inspiração para todos nós.

Fortune’s knowledge base #2

2014/04/11

“The mome rath isn’t born that could outgrabe me!”

― Nicol Williamson

Minha carne é de Carnaval, meu coração é igual

2014/03/02

Desejo a todos vocês um ótimo Carnaval. Curtam bastante, mas com responsabilidade. Deixo vocês na companhia dos Novos Baianos

Obs.: esse solinho é demais. Sempre piro nele.

Aproveitem o CARNaval para comer CARNe, pois depois é Quaresma.

I’m gonna hit the brakes and he’ll fly right by

2014/02/14

 

Remember this? It is truly a classic film. Arguably the best one about dogfights, militar aircraft and the likes. Probably it is the most known, at least. If you don’t remember, I recommend you watch it. It is called Top Gun, released in 1986.

I recall that after watching it for the first time (when I was a brat), I made a paper yoke and started to run all over the house pretending I was a jet fighter pilot (maybe this is what they call the magic of the seventh art).

It is worth remembering (if you have watched it, of course) the epic intro. Even today, many years after I have watched it for the first time, this intro gives me goose bumps.

Tchauzinho, 2013

2014/02/01

Já estamos no começo do segundo mês de dois mil e quatorze, mas isso não me impede de escrever sobre dois mil e treze. Até porque isso aqui é uma salada de frutas mesmo.

Supondo que não haja objeções, simbora. Ano passado foi um ano interessante. Conheci pessoas que se tornaram importantes para mim, outras pessoas conheci de verdade, passei muitos bons momentos com os amigos. Infelizmente, não pude passar muito tempo com outros amigos queridos, porém os contatos não foram, de forma alguma, perdidos. Neste ano, tenho oportunidade para melhorar tal situação.

Em dois mil e treze, eu até consegui recuperar amizades. Mesmo com o ceticismo (ou pessimismo?) de alguns. Fiquei muito feliz com a amizade recuperada. Realmente, o mundo dá voltas. E acontecem fatos que seriam outrora impensáveis.

É óbvio que a vida não é um mar de rosas. Problemas apareceram, outrossim falhas, malogros. Contudo, creio que seja praticamente sempre possível depreender algo de bom mesmo dos acontecimentos mais adversos. Realmente espero que eu tenha conseguido compreender melhor esse mistério que é a vida.

Agora é se preparar para dois mil e quatorze e seus próprios desafios.

2013/10/23

Wow, I have never thought that whilst studying business administration I would find something that describes so well what I have been doing several times in my life.

You should never elaborate a plan in too much detail. It costs energy, and you focus your energy on thinking about what could go wrong, and that’s a waste. It often takes a lot of effort to prevent people from putting in too much energy at the beginning of a process by thinking it over meticulously. It only creates false certainty, because once you begin to make some progress, you realize that you are often in a different place than you thought you would be.

Better study further pragmatic strategy.

O que se leva da vida é… a vida que se leva (Antoine de Saint-Exupéry)

2013/08/26

Desta vida nada se leva… a não ser a vida que se leva
Só se deixa…
Então, deixo o meu melhor…
Meu melhor sorriso
Meu maior abraço
Minha melhor história
Minha melhor intenção
Toda minha compreensão!
E do meu amor, a maior porção…
Só quero ficar na memória de alguém como outro alguém que era do bem!

(Antoine de Saint-Exupéry)

Jornada Mundial da Juventude 2013

2013/08/12

Como muitos devem saber, a cidade do Rio de Janeiro sediou este ano a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento criado pelo Papa João Paulo II em 1984 que tem os jovens como protagonistas desse grande encontro de fé, esperança e unidade. Seu objetivo principal é dar a conhecer a todos os jovens do mundo a mensagem de Cristo, além de, através deles, mostrar o “rosto” jovem de Cristo ao mundo. Para esta JMJ, o papa Francisco veio nos visitar e nos prestigiar. De 23 a 28 de julho, a fé rolou solta pelo Rio de Janeiro com a JMJ, que teve como lema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28, 19).
Tive o prazer e a satisfação de participar desta edição do evento, em nosso solo tupiniquim. Fui com a galera ponta firme da Pastoral Universitária da Unicamp e amigos (no total, aproximadamente oitenta pessoas). Minha jornada começou na sexta-feira, indo de São Paulo para Campinas, onde nos reunimos no salão paroquial da igreja Santa Isabel. Quando cheguei, o pessoal estava ensaiando o flash mob para o papa Francisco. Aí já viu né: entrei na dança também (literalmente). Depois, ainda conversei com muitas pessoas e, logo antes de partirmos, o padre João Batista nos deu sua bênção.
Com uma hora de atraso, o ônibus saiu rumo ao Rio de Janeiro. Rezamos um terço, comemos, conversamos e dormimos, claro. Por volta das 5:30h do sábado, chegamos na Ilha do Fundão (na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)) e vimos a aurora. Após algumas fotos e um breve alongamento, tomamos o ônibus “Rio City” (linha especial para a JMJ), que tinha como destino a Central do Brasil. No ônibus, conhecemos um pessoal de Campo Limpo Paulista que também estava participando da jornada (só tinha peregrinos no ônibus). Como ainda não tínhamos o kit peregrino, descemos no Sambódromo da Marquês de Sapucaí e fomos para a nada modesta e tampouco organizada fila. Depois de umas três ou quatro horas e de pegarmos sol e chuva, conseguimos os kits para nosso grupo.

JMJ: Pastoral Universitária em massa

JMJ: Pastoral Universitária em massa

Como dava meio-dia, rezamos o Ângelus. Em seguida, partimos para a caminhada. Dali até a praia de Copacabana, nosso destino, aproximadamente treze quilômetros nos aguardavam. Do sambódromo, seguimos pela avenida Presidente Vargas, em seguida pela avenida Rio Branco, depois pela avenida Beira Mar, passando pela Glória e pelo Flamengo. Em seguida, enveredamo-nos por ruas e mais ruas até misteriosamente chegarmos à Copacabana. Um “detalhe” que não mencionei é que neste percurso fomos acompanhados por muitas, mas muitas pessoas mesmo. E de vários lugares do mundo. Várias bandeiras tremulavam: Porto Rico, Austrália, Cuba, Argentina, Iraque, Malásia, Alemanha, etc., além das bandeiras de vários outros países que não reconhecemos e de estados de outros países e de, claro, bandeiras do Brasil (e também de estados brasileiros, com destaque para a do Espírito Santo – com seu lema “trabalha e confia” – que, muito provavelmente por causa da origem do lema, tinha aos montes).
Ficamos com muita fome durante as longas horas de caminhada com mochilas pesadas. No meio do caminho (no aterro do Flamengo), havia um posto de retirada do kit vigília (basicamente, alimento). O problema foi que a fila estava tão grande e desordenada que as pessoas preferiram seguir direto para Copacabana (sob protesto de meu estômago faminto). Então, seguimos peregrinando numa multidão internacionalmente imensa. Multidão que conversava, cantava, rezava, tirava fotos, brincava.

JMJ: domingo de manhã

JMJ: domingo de manhã

Chegamos em Copacabana por volta de 17, 18h. Como se não bastasse estarmos exauridos da caminhada, foi um parto encontrar um lugar para nos abrigarmos por lá. A areia estava completamente ocupada até onde os olhos alcançavam. O jeito foi arranjar um lugarzinho na calçada. E por lá ficamos durante a vigília com o papa Francisco. E por lá dormimos do jeito que deu: uns com saco de dormir, outros com EVA, plástico. Antes de sucumbirmos ao cansaço, porém, sucumbimos à fome e fomos procurar algo para comer. Foi assim que conhecemos o cachorro quente carioca: sem purê (buááá), com uva-passa (!), com queijo ralado (!!) e com ovo de codorna (!!!). E ainda podíamos escolher entre salsicha e linguiça oO Bom, o importante é que aliviou nossas necessidades alimentares naquele momento. E fomos dormir.
No meio da madrugada, uma amiga do grupo achou um lugar na areia e nos acordou para que mudássemos de lugar. Levamos todas nossas tralhas para a areia, aliás um lugar ameaçadoramente perto do mar. Tanto que algumas pessoas se recusaram a pousar ali e foram procurar outro lugar. Entrementes, fomos a um mercado há alguns quarteirões Copacabana adentro. Compramos mantimentos para o grupo todo (bisnaguinhas, bolachas, barras de cereal e um leite para um amigo nosso lactomaníaco). De volta à praia, nossos amigos tinham encontrado um lugar mais seguro para ficarmos. Comemos, rezamos e cochilamos um pouco, bem apertadamente (o bom é que nos esquentamos mutuamente).

JMJ:  praia de Copacabana

JMJ: praia de Copacabana

Durante a manhã, preparamo-nos para a missa de envio. Fizemos o último ensaio e apresentamos o flash mob para o papa. Logo após, ocorreu a missa, que foi celebrada em diversos idiomas e teve diversos “sabores”: momentos mais carismáticos e momentos mais tradicionais, como o Ângelus rezado em latim ao cabo da missa. Infelizmente, não fomos privilegiados de receber a comunhão (naturalmente, não havia hóstias para todo mundo – cerca de três milhões de pessoas).
Depois, foi só organizarmos nossas coisas e retornarmos para a Ilha do Fundão e de lá para Campinas. Retornamos cheios de alegria, esperança e de vontade de sermos jovens mais comprometidos com o mundo e com Deus. Pelo menos para mim, estes sentimentos ficaram de forma muito expressiva. Outra coisa que senti de maneira bastante forte foi a amizade e a proximidade das pessoas. Nesta jornada, conheci melhor muitas pessoas da Pastoral Universitária que praticamente só conhecia de vista.
Em suma, foi um evento fantástico. O desgaste físico foi proporcional à alegria da alma. Uma experiência muito positiva.
Jovens de todo o mundo, uni-vos!

JMJ: domingo antes da missa

JMJ: domingo antes da missa

Despeço-me por aqui com o hino oficial da Jornada Mundial da Juventude 2013:

Música de hoje

2013/07/01

Hoje é 1º de julho.

Tenha um bom dia!


Follow

Get every new post delivered to your Inbox.